3 Respostas para PALAVRAS DO PSICÓLOGO: Os Perigos da Traição Mental

  1. Luciene Rocha diz:

    Gostei muito da materia e ela é muito seria e falou profundamente no meu coração.Tenho pedido muita força a Deus por causa dos assedios e por as vezes as “pessoas” me acharem tão simpaticas e confundirem as coisas.Deus os abençoe.

  2. Cadimiel Francisco dos Santos. diz:

    Muito importante esse assunto….

  3. João Castro diz:

    Pretendo saber como enquadrar o sgte comportamento:
    Uma senhora casada à 18 anos, cristã, tanto ela como o esposo pertencem e frequentam com regularidade a mesma igreja. Acontece que 7 anos depois de casarem, o esposo notou que a esposa ficava completamente destraida a olhar um irmão da mesma igreja, enquanto decorriam os programas e isso era frequente, até ele chamou ela para saber a sua atitude, mas ela recusava tal procedimento, ou seja, dizia sempre que não estava destraída a olhar o irmão e isso levava ambos a várias discussões. Dali em diante, o relacionamento conjugal começou a esfriar e o mais agravante é que a senhora não deixava do mesmo procedimento e ja não era só com o irmão acima referido, porque o mesmo ja não fazia parte da igreja deles, mas a atitude da senhora continuou, pois qualquer irmão que lhe atrair, ela ficava perdida a olhar para ele, facto que não fazia ao seu esposo. Ela não conseguia fixar os olhos ao esposo, mas a outros não era problema. Esse defeito durou 11 anos, ou seja, desde 2006 à 2017, altura em que o esposo ja não suportou e decidira cortar a relação, mesmo estando com ela no mesmo teto. Isso obrigou-lhe a chamar o esposo para lhe confessar que realmente estava apaixonada com o primeiro, mas aquilo passou.
    - DIANTE DE UM CENÁRIO DO GÉNERO, ONDE SE ENQUADRA ESSE TIPO DE PRÁTICA?
    - NÃO SERÁ ADULTÉRIO?
    - SERÁ QUE O HOMEM NÃO PODE DIVORCIAR-SE POR ESSE MOTIVO?
    *PRECISO DE UMA RESPOSTA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *